domingo, dezembro 06, 2009

LUGAR II

Há sempre uma noite terrível para quem se despede do esquecimento. Para quem sai,
ainda louco de sono, do meio
do silêncio. Uma noite
ingénua para quem canta.
Deslocada e abandonada noite onde o fogo se instalou
que varre as pedras da cabeça.
Que mexe na língua a cinza desprendida.

E alguém me pede: canta.
Alguém diz, tocando-me com seu livre delírio:canta até te mudares em cão azul,
ou estrela electrocutada, ou em homem nocturno. Eu penso
também que cantaria para além das portas até
raízes de chuva onde peixes
cor de vinho se alimentam
de raios, seixos límpidos.
Até à manhã orçando
pedúnculos e gotas ou teias que balançam contra o hálito.
Até à noite que retumba sobre as pedreiras.
Canta - dizem em mim - até ficares como um dia órfão contornado
por todos os estremecimentos.
E eu cantarei transformando-me em campo
de cinza transtornada.
Em dedicatória sangrenta.

Herberto Helder

Sem comentários:

Publicar um comentário