sexta-feira, março 04, 2011

QUATRO DE MARÇO

Deixei-te uma rosa.
O sol dobrou-se, afastou o frio do dia
E talvez porque ali andasse anjo ou memória
iluminou-se uma dança de brisa e de luz pura.
Éramos nós ali em conversa contra
o silêncio magoado que pisava a terra
definitiva e feroz.
O vento alisou por cima de tudo uma gaivota
com bordas de azul com cheiro de mar
e percebi
o teu voo. Sal e sol. Púrpura e água. Ternura e presença.
Sei que as horas não perdoam e que é distante agora a tua voz
e as cores que não alcanço nesse longe onde vigias
sem que o tempo passe.
Para sempre;: feliz aniversário nas estrelas
Deixei-te uma rosa.

BG

8 comentários:

  1. que coisa mais linda, que poeta!
    amei... parabéns!
    Ana Claro

    ResponderEliminar
  2. Deixa a rosa. E o passado.

    Vive, agora. E livre.

    Abraço

    ResponderEliminar
  3. Estou certa q ela adorou sua manifestação e olha por ti querido. Q sua dor se amenize...Adoro vc!

    ResponderEliminar
  4. Emoção, querido!
    A rosa que lá deixaste exalou seu aroma delicado e alcançou o incomensurável.
    E a voz distante espera o momento de te murmurar o alento que há de vir nas horas de tua amorosa alma.
    Muito sensível e delicado. Este poema é maravilhoso. Tão lindo quanto a rosa que lá deixaste.
    REgina Gaiotto -Tietê/SP-Brasil

    ResponderEliminar
  5. Encheu de lágrima meu olho
    Sua dor não é minha
    Mas a morte é do mundo

    Encheu de lágrima meu olho
    Por estar longe assim do meu ombro
    Como te sussurro que sou sua amiga?

    Encheu de lágrima meu olho
    Seu lastro assim, também de anjo delicado
    De palavras belamente unidas

    Encheu de lágrima meu olho
    Esta poesia feita de alma
    Estática, no toque da sua mão na rosa

    Encheu de lágrima meu olho
    Seu nome é mais humano
    E o sol, assim, te abraçando

    Encheu de lágrima meu olho
    Esta saudade eterna
    Sua saudade aberta

    Maíra Franco
    4 de março de 2011

    ResponderEliminar
  6. "O vento alisou por cima de tudo uma gaivota
    com bordas de azul com cheiro de mar
    e percebi
    o teu voo. Sal e sol. Púrpura e água. Ternura e presença."
    Tudo quanto ela quer que continues a ser!
    Parabéns pelo brilhante poema.
    Continua a colocar a rosa , naquele local onde o seu perfume se sente e atinge as estrelas.

    ResponderEliminar
  7. Caro peregrino...

    Aqueles que amamos nunca morrem... apenas partem antes de nós...
    (Isaías 66,10-14)
    Regozijai-vos com Jerusalém, e alegrai-vos por ela, vós todos os que a amais; enchei-vos por ela de alegria, todos os que por ela pranteastes;
    Para que mameis, e vos farteis dos peitos das suas consolações; para que sugueis, e vos deleiteis com a abundância da sua glória...
    Porque assim diz o SENHOR: Eis que estenderei sobre ela a paz como um rio, e a glória dos gentios como um ribeiro que transborda; então mamareis, ao colo vos trarão, e sobre os joelhos vos afagarão... Como alguém a quem consola sua mãe, assim eu vos consolarei; e em Jerusalém vós sereis consolados...
    E vós vereis e alegrar-se-á o vosso coração, e os vossos ossos reverdecerão como a erva tenra; então a mão do SENHOR será notória aos seus servos, e ele se indignará contra os seus inimigos...
    Tua dor é minha dor... ainda estou sem palavras... com certeza ela amou todo o jardim que levaste em teu coração...

    ResponderEliminar